Noticias

Com alta de preços, itens da ceia de Natal ficam até 33% mais caros; veja lista

Pesquisa no Nupes, da Universidade de Taubaté, aponta que alguns alimentos tiveram aumento acima da inflação no período.

Escrito por ACISJC

06 DEZ 2021 - 12H19

image-0-artigo-1960729-1

A alta de preço dos itens de supermercado, também chegou a mesa de Natal. Segundo uma pesquisa da Universidade de Taubaté, os pratos tradicionais ficaram 13% mais caros.

A pesquisa incluiu panetone, peru, tender, chester, uvas passas e nozes. Em 2020, para comprar esses seis alimentos o consumidor gastava em média R$ 186,95. Neste ano, o custo para comprar os mesmos produtos é de R$ 211,43. Uma alta de 13,09%, valor acima da inflação acumulada no período, que foi de 10,75%.

Da lista, o preço do chester foi o item que mais subiu: ficou 33,28%. Veja abaixo a lista de produtos, quanto custavam e quanto passaram a custa.

A pesquisa foi feita em 16 supermercados das cidades de Caçapava, Campos do Jordão, São José dos Campos e Taubaté. O município joseense é onde a soma desses seis itens tem o menor valor: R$ 208,89. Na sequência, vem Caçapava (R$ 209,86), Campos do Jordão (R$ 210,16) e Taubaté (R$ 216,78).

Aumento acima da inflação

Todos os itens pesquisados tiveram aumento em um ano, mas o chester, o peru e a uva passa foram os que ficaram acima da inflação. O chester teve aumento de 33,28%, o peru de 18,71% e a uva passa de 13,17%. A inflação no período foi de 10,75%, levando em conta o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os demais itens ficaram próximos da inflação.

"O que observamos foi uma alta generalizada nos preços das aves. Duas razões explicam essa alta. A primeira é o aumento dos custos de produção. Também destacamos o aumento das exportações de aves, o que reduz a oferta no mercado interno e, consequentemente, gera preços mais altos para o consumidor brasileiro", afirmou o economista do Nupes, Edson Trajano.

No custo de produção está a alta no preço da ração a base de milho, segundo o Nupes. Conforme dados do Instituto de Economia Agrícola, em São Paulo o preço do milho recebido pelos agricultores aumentou em 38,64%, nos últimos 12 meses (base outubro), que é a base da alimentação das aves.

O preço das uvas passas ficou maior também em consequência de custos de produção mais elevados, de acordo com a pesquisa.

O panetone ficou mais caro devido o aumento nos custos de produção e, principalmente, com a alta no preço do açúcar em 48,21% nos últimos 12 meses (outubro), conforme pesquisa da cesta básica feita pelo Nupes. A nozes foi o item que teve menor aumento por se tratar de um produto nacional e a pesquisa ter sido feita com o produto com casa, com menor valor agregado na cadeia produtiva.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por ACISJC, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.